Você se interessa por divulgação científica?

Já contamos algumas vezes a história de como iniciamos este projeto de extensão em divulgação científica algumas vezes. A ideia surgiu há mais de 5 anos de forma bem despretenciosa e experimental. Simplesmente notamos que havia uma lacuna importante de conteúdos de BIoinformática, especialmente em língua portuguesa no YouTube. Na verdade, alguns anos depois ainda considero que essa lacuna ainda permaneça. Há muito espaço para conteúdos pouco abordados relacionados a Bioinformática e ainda uma demanda por pessoas interessadas.

O que queremos discutir neste artigo de hoje é como estamos buscando nos aperfeçoar para realizar cada vez mais essa atuação. Não sei se vocês já notaram mas alguns editais de projetos de agências de fomento como CNPq e FAPEMIGtem exigido a produção de um PITCH ou outro tipo de conteúdo de divulgação científica como produto do projeto de pesquisa. De fato, concordamos que é importante que a sociedade receba de volta um pouco de informação sobre o que é desenvolvido na academia e centros de pesquisa com recursos públicos.

Em 2019, participei do 4o. Encontro Nacional dos Membros Afiliados da Academia Brasileira de Ciências cujo tema principal foi a divulgação científica. Já comentei algumas vezes que esse evento foi um divisor de águas na minha decisão sobre dedicar um pouco mais de tempo e decidir profissionalizar essa atividade comunicação científica. Tenho um vídeo sobre o evento no canal do YouTube.

Após esse período, conheci a Especialização em Comunicação Pública da Ciência, conhecida como Amerek, da UFMG. O modo remoto de ensino durante a pandemia me permitiu cursar 3 disciplinas do curso:

2021 foi assim um ano de busca de conhecimento e embasamento acadêmico para o nosso projeto. Para os interessados em tornar a divulgação da ciência recomendo fortemente cursar uma especialização como o Amerek.

Agora em 2022, estou inscrita em um outro curso (online) / mentoria sobre divulgação científica nas horas vagas. Ainda estou no comecinho mas posso contar mais detalhes após concluir, se tiverem interesse.

Gostaria de finalizar este texto com alguns dos principais aprendizados que tive até o momento. Em primeiro lugar, é nossa responsabilidade como cientistas contribuir de alguma forma para que o conhecimento produzido chegue à sociedade. As pessoas precisam poder tomar boas decisões embasadas pelo conhecimento científico, e nós cientistas podemos ajudar nisso. É claro que nem todo cientista atuará diretamente em divulgação científica. Ele pode atuar em parceria com diulgadores e / ou jornalistas científicos. Ainda, há diversas formas de comunicar ciência: em vídeo, em textos de jornais, revistas, blogs, redes sociais. Mesmo aqueles que não tem tanto tempo ou vontade de se expor podem fazê-lo se estiverem dispostos. Mas requer um bom nível de esforço e treinamento. É preciso interesse em conhecer o público, se aproximar e ouví-lo. O modelo de divulgação científica conhecido como modelo de déficit em que o divulgador simplifica o conteúdo para que um leigo entenda, que acredita que a divulgação da ciência “traz luz para a escuridão” já está há muito tempo ultrapassado. Se realmente queremos ser úteis de alguma forma na divulgação da ciência, precisamos trazer o cidadão comum para a ciência, entender o que ele já sabe e o que quer saber, permitir que ele faça parte da divulgação de fato. Não é uma tarefa simples. Entretanto, quanto mais eu busco me engajar na divulgação, mais feedback positivo recebo e mais sou atraída para aprender e fazer.

Deixe seu comentário sobre suas experiências e interesses sobre a comunicação científica. Estamos sempre abertos a parcerias também.

Publicado por OnlineBioinfo Bioinformática

Meu nome é Raquel Minardi, sou bacharel em Ciência da Computação e doutora em Bioinformática. Sou professora do Departamento de Ciência da Computação da UFMG desde 2010, membro afiliado da Academia Brasileira de Ciências (ABC), vice-coordenadora do Programa de Pós-graduação em Bioinformática da UFMG, coordenadora da rede BaBEL de Bioinformática aplicada a Biotecnologia, vice-coordenadora do comitê especial de Biologia Computacional da Sociedade Brasileira de Computação (SBC) e secretaria da diretoria regional centro-sudeste da Associação Brasileira de Bioinformática e Biologia Computacional (AB3C). Sou fascinada pela área de Bioinformática e pela possibilidade de desenvolver modelos e algoritmos para suporte a resolução de problemas tão desafiadores quanto os que envolvem a biologia e biotecnologia. Também amo ensinar e desenvolver conteúdos para ensino a distância.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: